Educação Financeira para todos

Diante da maior facilidade de acesso ao crédito, muitos consumidores não resistem e acabam optando pelo financiamento de suas compras, sem o menor planejamento para o bom uso dos recursos. A falta de controle do orçamento pode levá-los ao endividamento excessivo.

Conceitos Importantes

No entanto, existem muitas outras causas para perder o controle da situação, como a perda do emprego ou problemas de saúde, por exemplo. Algumas delas podem ser evitadas, outras não. O ideal é ter cuidado para, ao menos, não cair nas armadilhas do consumo, o que ajuda a manter suas finanças em ordem. 

Você sabia que as causas afetivas são as principais culpadas pelo superendividamento? Como uma espécie de recompensa por vivenciarem alguma dificuldade, as pessoas acabam consumindo mais, como se quisessem “suprir a falta de algo”.

O importante é saber que se trata de um problema bastante comum, que precisa ser rapidamente identificado para sua solução.

Tipos de endividamento:
O endividamento pode ser classificado, basicamente, em três categorias:

  • Ativo: quando a pessoa assume dívidas constantemente e alega que teve imprevistos.
  • Superendividamento: a pessoa gasta sem controle, e acaba estourando o limite do cheque especial, do cartão de crédito, além de não pagar os empréstimos e financiamentos contratados.
  • Passivo: quando o endividamento ocorre por causa de um imprevisto (doença, acidente, desemprego, morte ou separação, por exemplo).

Contas sob controle
Educar-se financeiramente, utilizar o cheque especial e outros meios de pagamento com consciência e evitar financiamentos longos são algumas medidas para ficar longe do endividamento excessivo.

Para conseguir restabelecer sua saúde financeira, o primeiro passo é reconhecer e identificar o problema. Fazendo isso, crie um método que lhe permita monitorar suas finanças. Seu bolso agradece!

Compartilhar