Seu assessor financeiro pessoal
Siga o Finanças Práticas
FacebookTwitterYouTube
Compras de fim de ano?

Compras de fim de ano?
Seja um consumidor responsável!

Resista aos gastos por impulso, organize-se na hora de presentear e lembre-se do seu orçamento. Pesquise preços, pondere cada compra e cuide bem do seu bolso! Realize seus sonhos de consumo, mas com planejamento!
Confira:

promo

Assista ao Fórum de Educação Financeira 2014
Assista o webcast do Fórum de Educação Financeira onde foram discutidas as necessidades de educação financeira para pessoas não-bancarizadas ou com limitada bancarização.
Assista ao webcast

Garantias

Confira vantagens e desvantagens das garantias de locação

Na hora de alugar um imóvel, a garantia de locação é um dos itens mais importantes do contrato, já que, sem ela, o negócio às vezes nem é fechado.

As possibilidades são muitas (fiador, seguro-fiança, caução, cartão-aluguel), mas qual delas se ajusta melhor ao que você precisa?

As modalidades
O fiador, por exemplo, que ainda predomina no mercado imobiliário, oferece para o proprietário a segurança de que terá de volta os alugueis que o locatário deixa de pagar. Já para o inquilino, elimina a necessidade de pagamento adiantado pela garantia de locação.

Entretanto, pode trazer aborrecimentos antes mesmo da assinatura do contrato, principalmente para o inquilino. O principal deles é encontrar alguém que queira ser fiador e que cumpra as exigências estabelecidas (como possuir imóvel próprio, de preferência na cidade onde o locatário está alugando o imóvel).

Além disso, se o fiador for casado, é preciso que o cônjuge também assine o contrato de locação, seja qual for o regime de união.

O seguro-fiança e a caução são recursos menos burocráticos, na comparação com fiador, porém pesam mais no bolso do inquilino. No caso da caução em dinheiro, o locatário precisa depositar valor equivalente a alguns meses de aluguel – normalmente três -, e na caução em títulos de capitalização, o locatário deve adquirir títulos correspondentes a seis ou até 12 meses de aluguel. No entanto, o inquilino vai poder resgatar, na devolução do imóvel, o dinheiro dado como garantia.

Já no seguro-fiança, não existe a possibilidade de reembolso pelo inquilino, sendo que o prêmio (valor que ele deve pagar pelo seguro) equivale a um percentual que pode chegar a 80% do preço do aluguel. Em compensação, esse montante pode ser parcelado. O inconveniente, neste caso, é que nem sempre o pretendente para a locação é aprovado pela seguradora.

Menos tradicional, o mercado imobiliário conta, desde fevereiro de 2011, com o chamado cartão-aluguel, modalidade oferecida pela Caixa Econômica Federal. Entre os pontos positivos do produto estão: a simplificação do processo em caso em inadimplência, a facilidade do crédito pré-aprovado e o fato de o pagamento do aluguel ser garantido pela Caixa. O prazo máximo de garantia do contrato de aluguel é de 35 meses.

Segundo a Proteste – Associação de Consumidores, o cartão-aluguel pode ficar caro para o inquilino, já que ele deverá arcar com uma taxa de manutenção mensal, além da anuidade. Pelas contas da associação, ao final de um ano, os encargos podem chegar a 80% do valor do aluguel mensal.

A escolha
Na hora de escolher, a pesquisa é essencial. A avaliação deve ser feita em conjunto (locador e locatário) e a escolha deve ser a mais vantajosa para ambos. Custos, documentação necessária, renovação, direitos e deveres das partes envolvidas são os pontos mais importantes da pesquisa e que farão a diferença na hora da escolha. Pense nisso.

Links úteis:
http://www.caixa.gov.br/voce/Cartoes/Aluguel/cartao_aluguel/index.asp